Páginas

sábado, 29 de janeiro de 2011

Poeta é encontrado morto na beira do mar

Jamais havia me aventurado numa piscina muito menos no mar,mas visto daqui me parece tão encantador,o mar,que propôs a caminhar um pouco pelas águas.
Não demorou muito para a água bater nos ombros e me fez boiar. Boiando sentia as ondas me levando,boiando via a imensidão do céu azul ao me contemplar, a partir dali não era mais eu,não era mais mar,não era mais céu,era apenas luar.
Não sentia mais as pernas,não sentia mais ar,meu corpo não me obedecia havia se apaixonado pelo mar.Não tinha saída,era meu fim.
Os segundos passaram parecia horas,ninguém na praia,minha última visão seria do céu estrelado,do luar...lembrei do poema Ismália que morre apaixonada pela lua do céu e pela lua do mar,faço meu último verso pensando nela:
Ela era do céu
E ao mesmo tempo era do mar
Eu gritei meu último verso,gritei,gritei e ninguém ouviu,eles flutuaram na maré até uma onda me acertou em cheio fazendo eles chorarem e me fazendo vazio.Os jornais amanhã dirão "poeta é encontrado morto na beira do mar"mas não vão dizer que morri feliz por fazer meus últimos versos flutuarem no mar.


---
Eu estava deitada na piscina e lembrei do poema Ismália,se alguém quiser ler é só ir aqui,ai o texto veio quase pronto na minha cabeça.Fiquei feliz porque já fazia um tempo que não escrevia por aqui (:

Paz e Morangos

7 comentários:

  1. Uol, gostei do texto *-* acho que o mar é realmente muito encantador a noite.

    bjus =*

    ResponderExcluir
  2. E quem pagará o enterro e as flores, se um dia eu morrer de amores?
    Poeta não morre, poeta se encontra nas entrelinhas dos versos. Por isso escrevo, sei que um dia a morte poderá me levar, mas então ao ler meus feitos qualquer um poderá me reencontrará.

    Pense em alguém lendo seu último comentário escutando Devaneio do Jorge Vercilo. Pensa...
    Sorri ao ler 'e vamos rir'.
    É Ceci, a vida é imprevisível, quanto que conheci você. Poderemos mais pra frente nos encontrar, seja por acaso ou por providência, nos encontraremos e vamos rir.


    Beijo, Ceci. Abraço enorme!
    Passei aqui rapidinho. E o texto ficou ótimo, hein? Ismália...

    ResponderExcluir
  3. Nunca tinha lido Ismália, e é realmente muito bonito. Amei seu texto, pena é que hoje em dia os poetas não tem importancia o suficiente para que fossem parar na pagina dos jornais como o personagem do teu texto =(

    ResponderExcluir
  4. Que maravilhoso esse texto! Nossa Cecilia, está de parabéns mesmo *-* Ficou lindo. Consegui me colocar no lugar do poeta, sentir as marés e tudo mais. Adorei!
    Ah, obrigada pelo questionário, muito legal.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, adorei o blog
    estou seguindo aqui
    visita o meu e se gostar siga, um bj

    http://livreelouca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Lindo! E ser poeta é ser assim, é ser entrega!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. é dona Ceci... o mar *-*'
    poeta não morre, poeta vira estrela, nesse caso estrela do mar. Claro que sou suspeita, mas seus textos são sempre lindos de morrer, esse não foge a regra.
    Beijos escritora com alma em versos :*

    ResponderExcluir

Pena de urubu, pena de galinha, deixe seu comentário depois de dar uma lidinha (sim, eu sou boba!)